segunda-feira, 22 de maio de 2017

O melhor cônjuge do mundo

“Que é o teu amado mais do que outro amado?”

Um tempo atrás, eu estava estudando as Escrituras e fiquei demoradamente meditando nas palavras de Cantares 5:8-6:1. A cena toda é simples, mas o ensino é profundo, atual e necessário. As “filhas de Jerusalém” perguntaram à esposa o que é que o esposo dela tinha de tão especial que fazia dele “mais amado do que outro amado”. Ela, então, começou a dar uma descrição detalhada das características positivas dele. Como resultado, as outras mulheres ficaram impressionadas e também desejaram busca-lo e desfrutar da companhia dele.

A lição simples, profunda e necessária deste texto é a seguinte: o que você diz a respeito do seu cônjuge para outras pessoas, será exatamente o que as outras pessoas dirão a respeito do seu cônjuge. Se você tem o costume de reclamar do seu esposo ou esposa para seus pais, amigos ou vizinhos, certamente eles não terão uma boa impressão a respeito da pessoa com quem você casou. O contrário também é verdade. Se você costuma dizer coisas positivas a respeito do seu cônjuge para seus pais, amigos e vizinhos, é bem possível que eles considerarão você uma pessoa privilegiada por ter se casado exatamente com quem se casou. Fazer isto não tornará o seu cônjuge perfeito, mas poderá diminuir muitos dos problemas que são causados no casamento por causa de comentários de outras pessoas, e que você mesmo incentivou.

Aconteceu algo curioso comigo uma vez. Eu estava visitando uma igreja com a minha família e, quando levantei para falar publicamente, os apresentei e disse que eu tinha me casado com a mulher mais linda do mundo. No intervalo, quando fomos todos almoçar, um irmão viúvo, idoso e muito experiente sentou-se à mesa conosco e disse: “Você cometeu um erro numa das coisas que falou”. Fiquei apreensivo! O que eu teria dito de errado a ponto de merecer um “puxão de orelha” daquele irmão que eu respeito? Ele, então, explicou: “Você não casou com a mulher mais linda do mundo. A minha esposa era a mulher mais linda do mundo!” Todos nós começamos a rir, e naquele dia aprendi mais uma lição com aquele irmão. Enquanto eu considero a minha esposa a mais linda do mundo, ele considerava a dele a mulher mais linda do mundo.

Talvez este episódio ajude a ilustrar o que eu estou tentando dizer. Se você começar a olhar o seu cônjuge como a pessoa mais linda e adequada do mundo, certamente nenhuma outra pessoa será considerada capaz de tomar o lugar do cônjuge que você ganhou de Deus. E se você se esforçar para falar aos outros o melhor que há no seu cônjuge, certamente ouvirá outras pessoas falando o melhor do cônjuge deles para você também. Ensinar pelo aspecto positivo tem bem mais valor do que pelo aspecto negativo.

Ah, e só para esclarecer: eu não concordo com aquele irmão que respeito. Na minha opinião, a minha esposa continua sendo a mais linda do mundo!

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Hebreus 11

Nestes dias de tanto desânimo e falta de vigor espiritual, a mensagem de Hebreus 11 se torna não somente útil, como necessária. Por isto, este livro chega ao público com oração diante de Deus, desejando que seja uma ferramenta útil e de incentivo a todo estudante da Bíblia.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Amor de Casal

Abaixo segue um pequeno artigo extraído do livro Hebreus 11.




"Mical, a filha mais nova de Saul, foi outra pessoa daquela família que, individualmente, apreciava a companhia de Davi. Pelo menos duas vezes a Bíblia fala do amor dela por ele: “Mas Mical, a outra filha de Saul amava a Davi ... e Mical, filha de Saul, o amava” (I Sm 18:20, 28). Se para Saul a presença de Davi trazia alívio e para Jônatas motivava a amizade, para Mical a presença de Davi despertava a afeição.

O contexto de I Samuel 18:17-20 mostra claramente que o amor de Mical era um tipo de amor próprio da esfera do casamento. A irmã dela havia sido prometida pelo rei a Davi, mas não foi dada a ele. Logo depois a Bíblia informa que quem o amava (dentre as filhas de Saul) era Mical, mostrando com isso que era ela quem desejava casar-se com Davi.

Apesar dos altos e baixos no complicado relacionamento entre Davi e Mical, uma lição importante fica evidente no começo daquele relacionamento — ela o amava por ver nele o tipo de homem em cuja companhia desejava passar o resto da vida, e ele arriscou a própria vida, sacrificando-se por ela. Neste tempo, Davi ainda não era rei em Israel. Nas suas próprias palavras, ele era um “homem pobre e desprezível” (I Sm 18:23), mas valia o esforço de sacrificar-se para garantir o privilégio de casar com a filha do rei. Enquanto o rei lhe exigiu 100 prepúcios de filisteus, Davi trouxe o dobro (18:25-27).

Talvez estes detalhes, tanto da parte de Mical quanto da parte de Davi, sejam vagas ilustrações de um casamento verdadeiro. Ela amava Davi, apesar da pobreza dele e de pouca garantia de um futuro promissor. Davi ainda não era rei, e não havia nada que pudesse garantir a Mical que o homem que ela amava lhe daria um futuro luxuoso, como o que ela podia desfrutar na casa do seu pai. Apesar disso, porém, ela desejava casar-se com ele. O simples fato de poder passar o resto da vida ao lado de Davi era, em si, razão suficiente para Mical aceitar casar com aquele homem “pobre e desprezível”.

Isto também deve ser a motivação de uma jovem crente que deseja casar-se com um servo de Deus. Se eles não estão entrando em jugo desigual, e se têm entendido que é a vontade do Senhor que se casem, aquela noiva desejará casar-se com seu pretendente pelo simples fato de saber que passará o resto da vida ao lado dele. Ela será atraída pela pessoa dele, não por suas posses.

O exemplo de Davi também ensina lições para os rapazes crentes que desejam casar-se no Senhor. Davi olhava para sua futura esposa como uma pretendente muito acima dos seus méritos. Ele disse aos servos do rei: “Parece-vos pouco aos vossos olhos ser genro do rei, sendo eu homem pobre e desprezível?” Para ele, ser genro do rei era uma grande honra. Além disso, seus esforços para garantir o privilégio de casar-se com ela foram além dos exigidos pelo pai da moça. Ao invés de 100, ele trouxe 200 prepúcios de filisteus. Ele superou as expectativas do pai dela, não porque queria exibir-se, mas porque era uma grande honra receber aquela donzela por sua esposa.

Quando um rapaz se casa com uma moça crente, ele sabe que está casando-se com uma mulher digna, que está acima dos seus méritos. Ela não é qualquer mulher. Ela é o seu bem e a benevolência do Senhor (Pv 18:22). Portanto, ele se comportará em relação a ela da forma mais grata e protetora possível. Não somente isso, ele superará as expectativas da família dela. Se o pai dela espera que ele a trate bem e lhe dê carinho, ele fará ainda mais. Comparando com as altas exigências de Efésios 5, assim como Davi arriscou a sua própria vida para ter a sua esposa, o marido amará sua esposa de tal forma que será capaz de sacrificar-se por ela (v. 25), a amará como a seu próprio corpo (v. 28), nunca a odiará, pelo contrário, vai alimentá-la e sustentá-la (v.29), deixará seu pai e sua mãe por causa dela (v. 31) e a amará em particular (v. 33).


Todas essas coisas caracterizarão a vida conjugal daquele casal que se ama. Se ela foi capaz de abrir mão do luxo do seu lar pela afeição da companhia dele, ele abrirá mão da sua própria vida, se necessário, pelo bem-estar e felicidade dela. Um homem de Deus que vive pela fé, cativará a afeição de uma mulher que se submete por amor."